Uma em cada três empresas exigem modelo de trabalho 100% presencial

Pesquisa aponta os modelos de trabalho mais adotados pelas empresas brasileiras, mas aponta que o híbrido continua sendo a preferência.

Após o período de distanciamento social desencadeado pela pandemia, o modelo de trabalho 100% presencial tem ganhado espaço.

Segundo a 27ª edição do Índice de Confiança, pesquisa conduzida pela consultoria de recursos humanos Robert Half no primeiro trimestre de 2024, 35% das empresas no Brasil agora requerem a presença diária de seus funcionários nos escritórios.

No entanto, apesar dessa movimentação por parte das empresas, as preferências dos funcionários apontam para outra direção: apenas 6% da força de trabalho expressa desejo pelo regime presencial.

O modelo híbrido, que combina dias presenciais definidos pelos gestores, é o mais adotado pelas organizações, com 43% de participação. Dentro desse esquema, a alternativa preferida pelos colaboradores é a flexibilidade para escolher as datas do trabalho presencial, abraçada por 47% da força de trabalho.

A pesquisa, conduzida com 1.161 profissionais, revela uma diversidade de cargos e portes de empresas, com participação igual entre recrutadores, empregados e desempregados, todos com idade superior a 25 anos e formação superior completa. Cerca de 47% dos funcionários estão em cargos de liderança.

“Fica evidente que não há um modelo de trabalho único que agrade a todos”, analisa o diretor-geral da Robert Half América do Sul, Fernando Mantovani. “Cada formato tem seus desafios, e a liderança deve estar preparada para enfrentá-los de acordo com a escolha da empresa, seja ela híbrida, presencial ou remota.”

Mantovani enfatiza a importância da flexibilidade, adaptabilidade e uma abordagem centrada nas necessidades dos funcionários para promover um ambiente de trabalho produtivo, independentemente do modelo adotado.

Preferências do modelo de trabalho

A modalidade híbrida, com dias determinados pelos funcionários, é a mais desejada, apontada por 47% dos pesquisados, seguida pelo híbrido com dias presenciais fixos (31%), home office integral (17%) e trabalho totalmente presencial (6%).

Surpreendentemente, a imposição do retorno exclusivamente presencial levaria 65% dos profissionais a buscarem novas oportunidades no mercado.

Mantovani ressalta o poder significativo que a escolha do modelo de trabalho exerce sobre as estratégias de atração e retenção de talentos. “A flexibilidade não só atrai e retém talentos, como também impulsiona os resultados dos negócios”, avalia.

Perspectivas futuras

Diante desses resultados, encontrar um equilíbrio entre as demandas individuais e organizacionais torna-se crucial. “Estratégias flexíveis impulsionam não apenas a atração e retenção de talentos, mas também os resultados dos negócios”, destaca Mantovani.

Para o futuro, ele sugere que o equilíbrio dinâmico promovido pelo modelo híbrido pode ser a resposta ideal. “Esse modelo aproveita os benefícios da interação física enquanto abraça as oportunidades oferecidas pelo trabalho remoto”, conclui o especialista.

Pesquisar
Veja também:
Já pensou em ser mentora? Fiesp está com inscrições abertas para program...
Bauducco realiza campanha inspirada em Bridgerton
Doritos amplia portifólio com a chegada de Dinamita ao mercado brasileiro
M. Dias Branco adiciona ao portfólio lámen não frito