e@bimapi

Informações relevantes sobre o setor toda quarta-feira
 
 
Logotipo e@bimapi
 
 

Outubro é o mês que comemoramos duas datas importantes e tradicionais dentro do nosso setor: no último sábado (16), foi o Dia Mundial do Pão e na próxima segunda-feira (25), celebraremos o Dia Mundial do Macarrão. Os pães industrializados estão presentes em 89,4% dos lares brasileiros e o macarrão em 99,6%. Os alimentos ganharam popularidade devido aos atributos de praticidade, saudabilidade e conveniência.

Não é só no Brasil que as categorias fazem sucesso. Apesar do cenário de instabilidade, com a pandemia e a atual situação econômica do país, além dos fortes impactos da crise no transporte marítimo global e a alta do preço da farinha, as exportações da categoria de pães e massas alimentícias continuam em ascensão como já se observou em 2020.

No acumulado do ano, o setor de pães alcançou USD 68,1 milhões em exportações. No total, o período apresenta 35% de crescimento em valor frente a 2020, representando um aumento em volume de 52%, somando pouco mais de 76 mil toneladas de produtos vendidos ao exterior, na comparação com o comercializado em igual período do ano passado (janeiro a setembro).

O mercado registra o melhor desempenho comparado aos últimos cinco anos. O resultado se deve pincipalmente ao aumento das exportações das misturas para pães e bolos, que representam pouco mais de 70% das vendas ao exterior. Entre os 10 principais destinos, destacam-se 5 países que registraram aumento em suas importações de produtos brasileiros tanto em valor quanto em volume. Os mais expressivos sendo a Venezuela (com 56% e compras destacadas de misturas) e Estados Unidos (com 5% e destaque em panetones).

A categoria de massas alimentícias totalizou USD 13,5 milhões e 13,8 mil toneladas em volume também entre janeiro e setembro de 2021. Entre os 10 principais destinos de exportação houve crescimento em faturamento e consumo na Venezuela, Argentina, República Dominicana e Cuba. A Venezuela é o terceiro mercado por consumo per capita do mundo (12 kg por pessoa/ano em média). Assim, como nossa indústria é bastante competitiva pelo forte mercado doméstico posicionado como o 4º maior do mundo, temos conseguido aproveitar bem as oportunidades em nossos vizinhos latinos.

Até o final deste ano, esperamos um crescimento médio geral nas exportações do setor de 15% e 10%, respectivamente em valor e volume, a depender da estabilidade tanto cambial, quanto da logística com regularização de embarques e redução dos custos de frete internacional especialmente no transporte marítimo.

Oficinas de Planejamento de Mercados para o novo convênio com a Apex-Brasil Nossa equipe de Exportação, durante essa semana de 18 a 22 de outubro, está realizando as Oficinas de Planejamento de Mercados e Ações que tem como objetivo definir estratégias, além dos mercados prioritários e secundários da nova parceria a ser firmada com a Apex-Brasil para o biênio 2022 a 2024.

Hoje (20) e amanhã (21), às 15h, teremos as últimas duas oficinas. Participe no Zoom da equipe de exportação! Os materiais e gravações estarão disponíveis no Portal do Associado da ABIMAPI e, em breve, divulgaremos os resultados da iniciativa.

 

Notícias
ABIMAPI prevê crescimento de 5% na receita com panetones neste ano
 
O futuro da experiência do cliente é humano, significativo e transformador
Associados
Bimbo implementa sistema de distribuição sustentável
 
No Dia do Pão, conheça a nova linha da Bauducco com fermento natural
 
 

 
 

 
     
 
80% das indústrias na pandemia tiveram aumento de lucro e produtividade Os créditos de PIS e Confins no contexto da pandemia Trabalho remoto: mulheres têm maior potencial de modalidade do que homens
 
     
     
     
 
Eventos
 
 

 

 
 
Redes Sociais e Novidades
 
 
As estatísticas relativas à variação de preços da cadeia do setor do mês de setembro já estão no nosso site ABIMAPI é destaque no Jornal da Manhã (Jovem Pan) abordando o desempenho da categoria de pães industrializados Já conferiu o webinar realizado pelo SIMABESP sobre o atual Panorama da Legislação e os Desafios da Logística Reversa?