Notícias

Pães e massas devem ser os primeiros afetados pela alta do dólar


A alta de quase 6% na cotação do dólar em novembro deve afetar diversos setores da indústria e do comércio brasileiro. Se o patamar acima de R$ 4,20 da moeda americana persistir —nesta sexta-feira (29), o dólar fechou a R$ 4,24, segundo cotação da CMA—, o consumidor sentirá primeiro por meio de setores mais dependentes de insumos importados e nos quais o giro é maior.

Um deles é o setor de massas, pães e bolos industrializados e biscoitos. Hoje, esse segmento importa mais da metade do trigo necessário a atender a demanda interna.
O principal tratamento para pessoas com doença celíaca é a dieta livre de glúten, proteína presente em cereais como trigo, aveia, cevada, por exemplo
O setor de massas, pães e bolos industrializados e biscoitos importa mais da metade do trigo necessário a atender a demanda interna - Kirk K - Flickr

O produto vem de países do Mercosul, especialmente da Argentina, e também do Canadá e dos Estados Unidos. O preço da farinha de trigo corresponde a mais da metade do custo na maioria dos produtos.

Nas massas alimentícias, corresponde a 70%; vai a 60% no caso de pães e bolos industrializados.

O  presidente-executivo da Abimapi (Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados), Cláudio Zanão, afirma, em nota, que o aumento na cotação não tem como ser totalmente absorvido pela indústria.
 
“De todo modo, este repasse tende a ser gradual, pois não há espaço para elevar os preços de uma só vez para o consumidor final. Além disso, as indústrias estão com estoque (de dois a três meses, dependendo de cada fabricante) de trigo e produto acabado”, diz.

Na produção de vestuário, o efeito da alta do dólar dependerá de quanto tempo a cotação permanecer elevada, segundo Nelson Tranquez Jr, presidente da CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas) Bom Retiro, polo de produção e venda de roupas na região central de São Paulo.

Para os negócios deste fim de ano, a disparada não deverá afetar os preços. “Com a coleção de Natal, não devemos ter nenhuma intercorrência. As compras foram feitas, o material está estocado”, afirma. Ele considera também que o mercado ainda está em recuperação, sem margem para um aumento expressivo nos preços.

Se a moeda seguir em alta por mais um ou dois meses, a situação pode começar a mudar. Atualmente, as confecções começam a preparar as coleções outono/inverno, que serão apresentadas a partir do fim de fevereiro, início de março.

O ciclo de produção, diz Tranquez, dura de 40 a 60 dias, de modo que, se 2020 começar com o dólar alto, a coleção de inverno já pode sentir os efeitos do preço maior.
 
Ele afirma que o setor importa tecidos, maquinário e aviamentos. Na produção de jeans, boa parte dos produtos químicos, como corantes, são importados.

O consumidor que buscar o comércio popular na região da rua 25 de março ainda não deve sentir a alta durante as compras para este fim de ano.

Ondamar Ferreira, gerente da Armarinhos Fernando, rede com 15 lojas na capital, diz que os produtos para a temporada de Natal foram comprados com muita antecedência, pois envolvem trâmites demorados de entrega e desembargo no Porto de Santos.

Caso a elevação continue, reposições e novas compras já deverão ser afetadas. “O que a gente começar a comprar agora já será com preço bem mais alto e aí prejudica bastante”, afirma.

Fonte: Folha de São Paulo