Estudo de Pães Industrializados

Uma parceria ABIMAPI e ITAL para comunicar com transparência e manter uma relação de qualidade e confiança com o consumidor final

A publicação foi dividida em 14 seções onde é possível detalhar informações técnicas e científicas, além dos novos processos tecnológicos, ingredientes e aditivos utilizados na produção dos pães industrializados.

Sabemos que atualmente, a grande quantidade de dicas sobre alimentação, entre outros modismos propagados na mídia pelos formadores e influenciadores de opinião, expõe a sociedade ao perigo disfarçado de informação. São comuns notícias abordando a exclusão de determinados nutrientes das refeições sem um acompanhamento médico ou nutricional.

Especificamente em relação às nossas categorias, precisamos investir em produtos com ingredientes de fácil reconhecimento, associar vegetais às farinhas e trazer carboidratos que possam ser absorvidos de forma mais lenta, com mais fibras. Também podemos, simplesmente, olhar para determinada marca de produtos e assumir a sua indulgência, trabalhando o controle de porção e a adição de ingredientes mais clean, melhorando a comunicação, deixando-a transparente e assumindo muito claramente esses papéis.

Quando o assunto é alimentação, o segredo está no equilíbrio. Nossa função é incentivar e orientar a sociedade de forma inteligente, mostrando que os pães industrializados podem e devem fazer parte da rotina alimentar destacando que não há mocinhos nem vilões em uma dieta saudável. Além de saborosos e versáteis, possuem atributos voltados à saudabilidade necessários para o bom funcionamento do organismo.

Por isso, a fim de comunicar com transparência e manter uma relação de qualidade e confiança com o consumidor final, informaremos a população e o setor como um todo desmistificando conceitos sobre nutrição e segurança dos pães industrializados versus pães artesanais (de padaria) e reforçar que precisamos da indústria que nos fornece alimentos práticos, higienizados, nutritivos.