e@bimapi

 
Logotipo e@bimapi
 
   



 
Palavra do Presidente
 
Portal do Associado
 
1ª Reunião de Exportação
14ª Reunião CG&A
Acesse agora
 
Notícias
Confiança do consumidor atinge maior nível desde 2014
 
Afinal, existe relação entre dieta gluten-free e diabetes tipo 2?
 
Associados
Grupo Bimbo reforça compromisso com a publicidade infantil
 
J. Macêdo acelera ritmo de investimento em fábricas
 


ABIMAPI registra crescimento de 4,3% do setor em 2016
 

Nos reunimos no dia 23 de março para a realização da 14ª Reunião do Conselho Gestor & Associados. Na oportunidade, recebemos Domenico Filho, Industry Leader da consultoria Nielsen, com a palestra “Evolução no mercado de consumo no Brasil – Criando oportunidades em face a desafios” sobre o comportamento do consumidor e o desempenho do setor de alimentos em 2016.

Em sequência e ainda neste tema, anunciamos aos presentes os resultados alcançados pelas indústrias que representamos no fechamento do ano. Nossas categorias movimentaram juntas o total de R$ 36,862 bilhões, crescimento de 4,3% em relação a 2015. Sabemos que o maior faturamento registrado se deu em função dos repasses parciais e, ainda assim, se mostrou abaixo da inflação oficial de 6,29%. Em volume, houve queda de 2,8%, com cerca de 3,4 milhões de toneladas vendidas, assim como no consumo per capita, que recuou de 17 kg/ano para 16,5 kg/ano.

O segmento de biscoitos cresceu 3,9%, atingindo a marca dos R$ 21,853 bilhões. Assim como o setor num todo, notamos diminuição de 2,7% do volume de vendas – com aproximadamente 1,7 milhão de toneladas – e retração também do consumo per capita, com 8,2kg/ano. As rosquinhas e os maria/maisena são os principais impulsionadores deste cenário e registraram aumento de 7,5% e 1,5% em volume de vendas, e 14,5% e 11% em receita, respectivamente. Os recheados, que perderam força em comparação ao mesmo período anterior, representaram 25% de mercado da categoria.

As massas alimentícias alcançaram R$ 8,744 bilhões, aumento de 5,6% frente ao apurado no ano antecedente. Diferentemente de 2014 e 2015, quando as massas frescas e instantâneas, respectivamente, apresentaram maior crescimento, desta vez as secas (que representam 81,4% do total consumido) estiveram à frente, com receita de R$ 5,453 bilhões, seguidas das instantâneas (15% do setor), com R$ 2,627 bilhões. As massas frescas (3,6% do setor) movimentaram R$ 663 milhões. Já a produção nacional caiu 2%, totalizando 1,24 milhão de toneladas, e o per capita alcançado foi 6,02 kg/ano.

Os índices atingidos pelos fabricantes de pães & bolos industrializados foi bem parecido com as demais categorias. Os chamados “pães de forma” expandiram 4,5% do faturamento, total de R$ 5,414 bilhões em vendas. Foram 440,7 mil toneladas de produção, retração de 4,9% na comparação com o fechamento passado, e per capita de 2,15 kg/ano. Em relação aos bolos industrializados, o segmento apresentou rendimento igual ao de 2016, R$ 851 milhões. O volume diminuiu cerca de 9%, atingindo 33,7 mil toneladas, com per capita de 0,16 kg/ano.

Nossa assessoria de imprensa iniciou a divulgação destas estatísticas junto à mídia, e já podemos relacionar aqui alguns veículos de alta qualidade que repercutiram a pauta: Jornal da Band, coluna Mercado Aberto (Folha de S.Paulo), Valor Econômico, O Globo, portais UOL, iG, Monitor Mercantil, Investimentos e Notícias, Gironews, entre outros.

Nós, da ABIMAPI, continuaremos engajados a apoiar nossos associados com ações e informações que ajudarão o setor na conquista de bons resultados ao final de 2017.
 

 
   
         
   
Notícias sindicais - SIMABESP
   
   
Câmara aprova projeto de lei
que regulamenta a terceirização
Reforma possui emendas sobre prevalência de acordos trabalhistas "Menos spread e mais volume", defende Paulo Skaf
   
         
   
Eventos
   
   





 
   
   
Facebook
   
   
Macarrão é o protagonista do programa Antena Paulista Uma sobremesa de dar água na boca: bolo mousse com tortinhas Na torradeira ou forno, o importante é fazer “créc créc”