Notícias

Acalme o rei! Conheça a história da Colomba Pascal

Acalma-rei. “A origem da colomba pascal é indiscutível”, decreta a Grande Enciclopedia Illutrada della Gastronomia. Segundo a lenda, o rei Alboino, que governou a Lombardia no século 6º, tomou a cidade de Pavia e estava decidido a queimá-la, quando um padeiro com seu pão doce em formato de pomba da paz amenizou o furor do rei e o dissuadiu de prosseguir com a guerra. Era véspera do feriado da Páscoa, do ano de 572.

Sem maniqueísmo, o professor de gastronomia do Senac Sandro Dias acredita que a história pode até não ser verdade, “mas serve para propagar a tradição”. Em seu voo pelo mundo, a tradição mudou um pouco. Segundo Dias, “na Itália, a colomba é servida após o almoço de Páscoa, no Brasil, é mais frequente no café da manhã”.

Assim como costumes, as receitas também variam – e há quem coloque brigadeiro, doce de leite e outros recheios na colomba, em versões que abrem mão da leveza, perdendo a chance de voar por aí. “O Brasil tem muita facilidade para criar e variar”, diz Rogério Shimura, da escola de panificação Levain. É verdade, mas para fixar o conceito de colomba pascal, selecionamos as que seguem à risca a receita original italiana – nem gotas de chocolate entraram. Achamos apenas três na cidade.

Confira a matéria completa, veja também quais as diferenças entre o Panetone e a Colomba Pascal: paladar.estadao.com.br

Fonte: Paladar - Estadão